Poesia sim...

Quadras da Minha Vida

Os ecos nos meus sentidos 
Dos meus afectos doentes 
São mais longos, mais compridos 
Do que rastos de serpentes. 

Nasci profundo e pegado 
A turbilhões de aflição: 
Na cara trago estampado 
O meu perfil de obsessão. 

Não creio que possa amar 
Nem neste mundo ter jeito 
De me encostar a outro leito 
Sem desatar a chorar. 

Enterro os dias e os ais, 
Sou uma pilheira de mortos, 
Não tenho espaço pra mais! 
Que se comam uns aos outros... 

Mário Saa, in 'A Poesia da Presença'

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Livro da semana: "Todos os caminhos"

Livro da semana: "A princesa Sofia e a fada trapalhona"

Livro da semana: "Os pássaros também choram" de Tiago Seixas