Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2010

“Morrer Como um Homem” é o candidato português à nomeação para o Óscar

O filme de João Pedro Rodrigues, “Morrer Como um Homem”, foi escolhido como o candidato português à nomeação para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, na próxima edição dos prémios da Academia de Hollywood.

“Morrer Como um Homem”, terceira longa-metragem do realizador, teve antestreia mundial no Festival de Cinema de Cannes do ano passado, e chegou às salas comerciais nacionais em Outubro. A partir do percurso do travesti Ruth Bryden, o filme retrata a vida da personagem Tonia, um travesti veterano dos espectáculos de “drag queen” de Lisboa, que vê as suas convicções pessoais serem questionadas num relacionamento amoroso. Ler no Público

Livro da semana: "A vida verdadeira"

Imagem
A Vida Verdadeira / Vasco Luís Curado
Edição/reimpressão: 2010
Editor: Dom Quixote
Colecção: Autores de Língua Portuguesa Sinopse
A cidade foi crescendo para as margens e os blocos de vidro e betão ceifaram as moradias e os quintais dos arrabaldes. A casa do narrador - casulo protector cheio de passado - é, na verdade, a única que resiste, mas está irremediavelmente condenada à extinção. Enquanto recebe a visita da agente imobiliária que se ocupará da venda, este homem adulto e sozinho recorda o que foi a sua vida nesse refúgio - a superprotecção das mulheres, o carácter fantasista e megalómano do pai, a relação simbiótica com a irmã, as atitudes intempestivas do tio mulherengo mutilado na guerra colonial que ensaiou o próprio velório aos vinte anos, a loucura do professor que lhe dava lições particulares. Nenhuma das suas figuras de referência o preparou para a emancipação - todas, pelo contrário, o incompatibilizaram com a vida comum. E, porém, Vergílio não está só no seu destino, porqu…

Estreia da semana: "O filme do desassossego" e "Comer orar amar"

Realização: João Botelho

Com: Alexandra Lencastre, Catarina Wallenstein, Margarida Vila-Nova, Rita Blanco

Sinopse
Lisboa, hoje. Um quarto de uma casa na Rua dos Douradores. Um homem inventa sonhos e estabelece teorias sobre eles. A própria matéria dos sonhos torna-se física, palpável, visível. O próprio texto torna-se matéria na sua sonoridade musical. E, diante dos nossos olhos, essa música sentida nos ouvidos, no cérebro e no coração, espalha-se pela rua onde vive, pela cidade que ele ama acima de tudo e pelo mundo inteiro. Filme desassossegado sobre fragmentos de um livro infinito e armadilhado, de uma fulgurância quase demente mas de genial claridade. O momento solar de criação de Fernando Pessoa. A solidão absoluta e perfeita do EU, sideral e sem remédio. Deus sou eu!, também escreveu Bernardo Soares.


Realização: Ryan Murphy

Com: Julia Roberts, Javier Bardem, James Franco, Billy Crudup, Richard Jenkins, Viola Davis

Sinopse
Liz Gilbert (Julia Roberts) é uma mulher moderna que, após o div…

Poesia sim...

Porque o Melhor, Enfim

Porque o melhor, enfim,
É não ouvir nem ver...
Passarem sobre mim
E nada me doer!
_ Sorrindo interiormente,
Co'as pálpebras cerradas,
Às águas da torrente
Já tão longe passadas. _
Rixas, tumultos, lutas,
Não me fazerem dano...
Alheio às vãs labutas,
Às estações do ano.
Passar o estio, o outono,
A poda, a cava, e a redra,
E eu dormindo um sono
Debaixo duma pedra.
Melhor até se o acaso
O leito me reserva
No prado extenso e raso
Apenas sob a erva
Que Abril copioso ensope...
E, esvelto, a intervalos

Fustigue-me o galope
De bandos de cavalos.
Ou no serrano mato,
A brigas tão propício,
Onde o viver ingrato
Dispõe ao sacrifício
Das vidas, mortes duras
Ruam pelas quebradas,
Com choques de armaduras
E tinidos de espadas...
Ou sob o piso, até,
Infame e vil da rua,
Onde a torva ralé
Irrompe, tumultua,
Se estorce, vocifera,
Selvagem nos conflitos,
Com ímpetos de fera
Nos olhos, saltos, gritos...
Roubos, assassinatos!
Horas jamais tranqüilas,
Em brutos pugilatos
Fraturam-se as maxilas...
E eu sob a terra firme,
Comp…

Concurso escolar "A Europa no Mundo"

Imagem
Estás a frequentar entre o 1.º e o 12.º ano?

És criativo/a ou conheces alguém que o seja?

E estás interessado/a em ganhar prémios?

Então este concurso “A EUROPA NO MUNDO” é para ti: sozinho, ou em equipa, com colegas, pais ou professores, cria um trabalho artístico, com a mensagem A Europa sou eu, isto é, como é que tu, Europa, te relacionas com o resto do mundo, e envia-nos o teu trabalho em formato digital até dia 29 de Outubro 2010.

Usa a tua criatividade e originalidade e prova do que és capaz! Mostra as tuas capacidades em uma ou mais das categorias seguintes: Artes, Multimédia, Literatura e Web.

Os trabalhos finalistas serão expostos neste site e premiados numa festa em Lisboa, no dia 27 de Novembro de 2010.

Não te esqueças que ao participar estás a aprender e ainda te habilitas a ganhar prémios fantásticos.

Consulta o regulamento para mais informações.
Atreve-te e Inscreve-te!

“Ilusão (ou o que quiserem)” de Luísa Costa Gomes vence Prémio Fernando Namora

Imagem
O romance “Ilusão (ou o que quiserem)”, de Luísa Costa Gomes, é o vencedor do Prémio Literário Fernando Namora/Estoril Sol, pela inovação e ágil registo estilístico, como assinalou em acta o júri.

A obra editada em Novembro do ano passado marcou o regresso da escritora ao romance, dez anos depois de “Educação para a tristeza”. “Ao galardão, com o valor pecuniário de 25 mil euros, concorreram meia centena de obras, todas editadas em 2009, tendo a escolha de “Ilusão (ou o que quiserem)” sido unânime, disse à Lusa a mesma fonte.

O júri considerou a obra “manifestamente inovadora, quer pela sua excelente construção, quer pelo seu ágil registo estilístico de constante ironia, quer pela análise penetrante de alguns comportamentos tipo da actual sociedade portuguesa, muito em especial no tocante a métodos pedagógicos aplicados nas escolas e à animação cultural na província, bem como à densidade da narrativa”.Ler no Público

Estreia da semana: "Wall Street: o dinheiro não dorme" e "Assalto ao Santa Maria"

Realização : Oliver Stone

Com: Michael Douglas, Shia LaBeouf, Charlie Sheen, Josh Brolin, Susan Sarandon, Frank Langella, Vanessa Ferlito

Sinopse
Ao emergir de uma longa privação na cadeia, Gekko (Michael Douglas) dá por si do lado de fora de um mundo que em tempos dominou. Com o objectivo de reparar a frágil relação que tem com a filha, Winnie, Gekko forma uma aliança com o seu noivo Jacob (Shia LaBeouf). Mas poderão Jacob e Winnie realmente confiar no ex-titã financeiro, cujos implacáveis esforços para se redefinir numa era diferente têm consequências inesperadas?


Realização: Francisco Manso

Com: Carlos Paulo, Leonor Seixas, Pedro Cunha

Sinopse
Zé (Pedro Cunha) é um jovem emigrante português que em 1960 passa por um período difícil na Venezuela - o trabalho é escasso e as perspectivas poucas para tantos sonhos. O acaso coloca no seu caminho o capitão Henrique Galvão (Carlos Paulo), um dos mais proeminentes opositores do regime do ditador Salazar. Fascinado por Galvão, Zé junta-se a um gru…

Livro da semana: "O guardião de livros"

Imagem
O Guardião de Livros / Cristina Norton
Um romance histórico apaixonante.
Edição/reimpressão: 2010
Editor: Livros d'Hoje
Colecção: Ficção histórica
Sinopse
Uma escrava muda conta um segredo guardado durante 200 anos; um escravo apaixona-se por quem não deve; uma carioca leva um português a descobrir as delícias do sexo; um cientista judeu a quem são confiados dois livros raros naufraga nas ilhas Malvinas. Estas são algumas das personagens deste romance, que nos narra a vida de Luís Joaquim dos Santos Marrocos, um bibliotecário hipocondríaco que, em 1811, atravessa o Atlântico rumo ao Brasil acompanhado por 76 caixotes cujo conteúdo era verdadeiramente precioso: no seu interior seguia a Real Biblioteca do Palácio de Ajuda, inicialmente esquecida no cais de Belém aquando da saída apressada da Corte portuguesa para o Brasil em 1808. A chegada ao Rio de Janeiro não foi fácil para Marrocos ao deparar-se com uma cidade onde nada o seduzia, - nem a comida, nem os cheiros, nem o calor - e com um…

Poesia sim...

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfí…

Livro da semana: "Aquela madrugada no Ritz"

Imagem
Aquela Madrugada no Ritz / Joel Costa
24 de Abril de 1974. Num quarto de hotel prepara-se um contra-golpe de extrema-direita. Os responsáveis ainda estão impunes
Edição/reimpressão: 2008
Editor: Casa das Letras

Sinopse
Amor, política e mistério numa Lisboa onde não era costume acontecer nada, mas onde tudo parecia estar prestes a acontecer.
No dia 9 de Março de 1971, António Luís Fabrício, um jovem recém-licenciado em História, está sentado no café Monte Carlo a ler o jornal, ao mesmo tempo que ouve a conversa da mesa do lado, entre Carlos de Oliveira e Augusto Abelaira, dois dos seus escritores favoritos. É subitamente surpreendido pelo comunicado que dá conta do atentado bombista à Base Aérea de Tancos. Pouco depois, alguém o alicia para um emprego que o compromete em estranhas investigações históricas.
No dia 24 de Abril de 1974, António Luís Fabrício e Zemira, apaixonadíssimos, decidem passar a sua primeira noite de amor no anonimato de um hotel. Ao romper da manhã são acordados pelo aco…

E-books de autores lusófonos à venda na MediaBooks

Imagem
O grupo editorial Leya começou ontem a vender livros digitais através da MediaBooks, a sua livraria on-line (http://www.mediabooks.pt/) que também transacciona livros impressos. Mais de 100 livros de autores lusófonos estão agora disponíveis em formato e-book, podendo ser lidos em computadores (PC e Mac) e na generalidade dos leitores portáteis disponíveis no mercado nacional. Ler no Público

Estreia da semana: "A troca" e "O último solteirão"

Realização: Josh Gordon, Will Speck

Com: Jason Bateman, Victor Pagan, Jennifer Aniston, Jeff Goldblum, Juliette Lewis, Patrick Wilson

Sinopse
Kessie (Jennifer Aniston) é uma mulher divertida, inteligente... e solteira. Um dia, apesar das objecções do seu melhor amigo e um pouco neurótico Wally (Jason Bateman), decide que é tempo de ter um filho. Mesmo que para tal o tenha de fazer sozinha... bom, pelo menos com a ajuda de um encantador doador de esperma (Patrick Wilson). Mas, sem que ela pudesse saber, os seus planos dão para o torto quando uma troca de última hora apenas é descoberta sete anos mais tarde - quando Wally conhece finalmente o filho precoce, mas um pouco neurótico, de Kassie...



Realização: Brian Koppelman, David Levien

Com: Michael Douglas, Susan Sarandon, Danny DeVito, Mary-Louise Parker, Jesse Eisenberg

Sinopse
Ben Kalmen, um cinquentão nova-iorquino, é um ex-vendedor de sucesso de automóveis, que, através das suas más decisões, deitou abaixo o negócio. Ben está prestes a reg…

Poesia sim...

Realidade

Fomos longe demais, para voltar
Aos antigos canteiros onde há rosas.
Em nós, o ouvido, quase e, quase, o olhar
Buscam nas cores vozes misteriosas...

Mas o mistério é flor da juventude.
Não rima com poemas desumanos.
A idade — a nossa idade! — nunca ilude.
Só uma vez é que se tem vinte anos.

Quebrámos todos, todos os espelhos
E o sol que, neles, está hoje posto
Já não reflecte os lábios tão vermelhos
Que nos iluminam, sempre, o rosto.

Realidade? Há uma: apenas esta!
— Somos espectros na cidade em festa.

Pedro Homem de Mello, in "Eu Desci aos Infernos"

Férias na Biblioteca...

Imagem

Férias na Biblioteca...

Imagem

Livro da semana: "O bairro dos poetas"

Imagem
O Bairro dos Poetas / Fátima Pombo
Edição/reimpressão: 2007
Editor: Editorial Teorema Sinopse
Neste romance, Fátima Pombo reúne as suas personagens num destino surpreendente, conduzindo-as com um estilo amadurecido e hábil a encontros que cruzam a trama dos romances anteriores.
O Bairro dos Poetas completa a trilogia que Fátima Pombo iniciou com O Desenhador (Teorema, 2003) e prosseguiu com As Cordas (Teorema, 2005).

Estreia da semana: "Gigante" e "Step Up 3D"

Realização: Adrián Biniez

Com:Horacio Camandule, Leonor Svarcas, Ignacio Alcuri

Sinopse
ara é um segurança tímido e solitário de 35 anos, que trabalha num supermercado em Montevideo. É responsável por controlar as câmaras de segurança de todo o edifício. Como trabalha no turno da noite, não há muito trabalho e o supermercado está calmo. Assim, Jara passa o tempo como em casa: a preencher palavras cruzadas, ouvir música e ver vídeos. Tudo corre normalmente até que um dia Jara vê Julia, uma das empregadas da limpeza e se começa a sentir atraído por ela. Inicialmente, Jara passa horas a observá-la através das câmaras. Mas cedo começa também a segui-la depois do trabalho, quando vai ao cinema, à praia ou mesmo até quando se encontra com outro homem. A vida de Jara começa a organizar-se em torno das rotinas e do quotidiano de Julia. Mas quando começam os boatos que o supermercado vai fazer cortes no pessoal, os empregados concentram-se. E quando chega a notícia de que Julia foi despedida, Jar…

Poesia sim...

Certas Palavras

Certas palavras não podem ser ditas
em qualquer lugar e hora qualquer.
Estritamente reservadas
para companheiros de confiança,
devem ser sacralmente pronunciadas
em tom muito especial
lá onde a polícia dos adultos
não adivinha nem alcança.

Entretanto são palavras simples:
definem
partes do corpo, movimentos, actos
do viver que só os grandes se permitem
e a nós é defendido por sentença
dos séculos.

E tudo é proibido. Então, falamos.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Boitempo'

Férias na Biblioteca...

Imagem

Livro da Semana: "Cal"

Imagem
Cal / José Luís Peixoto
Edição/reimpressão: 2007
Editor: Bertrand

Sinopse
Cal junta contos, uma peça de teatro e poemas em torno de um tema pouco usual na literatura: a velhice, com a sensibilidade inconfundível de José Luís Peixoto.

Excerto
«As mãos de Ana eram velhas. Os dedos eram grossos e tinham riscos feitos pela lâmina da navalha de retalhar azeitona. As palmas das mãos eram grossas e tinham o toque da superfície serrada de um tronco. As mãos do velho Durico eram magras e escuras. As costas da mãos, quando as estendia debaixo de um candeeiro de petróleo, eram suaves. As unhas eram certas por serem cortadas com uma navalha»

Estreia da semana: "Entre irmãos" e "Karate kid"

Realização : Jim Sheridan

Com: Jake Gyllenhaal, Natalie Portman, Tobey Maguire, Sam Shepard

Sinopse
Suando um Marine condecorado é dado como desaparecido, a ovelha negra do irmão mais novo toma conta da mulher e das filhas - com consequências que irão abalar as fundações de toda a família. O Capitão Sam Cahill (Tobey Maguire) e o irmão Tommy Cahill (Jake Gyllenhaal) são o complete oposto. Um Marine prestes a embarcar na sua quarta comissão de serviço, Sam é um verdadeiro homem de família, casado com a namorada de liceu, adequadamente chamada Grace (Natalie Portman), com quem tem duas meninas. Tommy, o carismático irmão mais novo, é um jovem à deriva, acabado de sair da prisão, e que rapidamente veste a pele de provocador da família, no jantar de despedida de Sam em casa dos pais, Elsie (Mare Winningham) e Hank Cahill (Sam Shepard), um Marine reformado. Já no Afeganistão, Sam é dado como morto, quando o helicóptero em que seguia é abatido nas montanhas…


Realização: Harald Zwart

Com: Jaden S…

Férias na Biblioteca...

Imagem

Poesia sim...

A GRIPE E OS HOMENS ...

Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.
Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha,
Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisanas e pão de ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sozinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer.

António Lobo Antunes