Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013

Livro da semana: "O tempo dos amores perfeitos"

Imagem
O Tempo dos Amores Perfeitos de Tiago Rebelo Edição/reimpressão: 2012 Páginas: 620 Editor: Edições Asa Sinopse Tiago Rebelo conta-nos as aventuras de um oficial português em Angola, nos finais do século XIX, nos conturbados anos que se seguiram ao Ultimatum britânico, uma época em que a coroa portuguesa se debate com extremas dificuldades militares no interior da colónia. Num universo de ficção e veracidade histórica acompanhamos a história de sobrevivência do jovem tenente Carlos Augusto de Noronha e Montanha, um antepassado do escritor, que é destacado para algumas das operações mais difíceis no interior de Angola, e o seu romance impossível com Leonor, a filha do governador, rebelde e determinada. Intensamente apaixonados vêem, no entanto, a sua relação amorosa comprometida por conflitos de interesses que opõem a família de Leonor ao tenente Montanha. Críticas de imprensa «Sendo um romance passado no final do século XIX nas antigas colónias portuguesas, e retratando o ambiente de guerra …

Dia Mundial do Teatro - 27 de março

Imagem

Poesia sim...

Morri pela Beleza

Morri pela Beleza - mas mal me tinha
Acomodado à Campa
Quando Alguém que morreu pela Verdade,
Da Casa do lado -

Perguntou baixinho "Por que morreste?"
"Pela Beleza", respondi -
"E eu - pela Verdade - Ambas são iguais -
E nós também, somos Irmãos", disse Ele -

E assim, como parentes próximos, uma Noite -
Falámos de uma Casa para outra -
Até que o Musgo nos chegou aos lábios -
E cobriu - os nossos nomes -

Emily Dickinson, in "Poemas e Cartas"
Tradução de Nuno Júdice

Livro da semana: "Amor sem tempo"

Imagem
Um Amor Sem Tempo de Carlos Machado Edição/reimpressão: 2010 Páginas:264 Editor:Editorial Presença Coleção: Grandes Narrativas Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para as Novas Oportunidades, como sugestão de leitura - Grau de Dificuldade II.

Após seis anos de ausência, Eduardo regressa à aldeia onde nasceu para vender a propriedade da família, votada ao abandono desde a morte do avô. «Ia ficar pouco tempo», pensava encostado a uma árvore do carvalhal que bordejava a aldeia. Mas, subitamente, uma sucessão seca de tiros fez reverberar o ar sólido do estio e acabou com a paz daquele dia. Os famosos pombos-correio de Severino Sarmento, o homem mais poderoso da terra, tinham sido traiçoeiramente abatidos. E é, então, que se dá o reencontro de Eduardo com o seu passado e com todos aqueles que o marcaram de forma indelével. Sobretudo Mariana, a bela filha de Severino e seu grande amor. Carlos Machado, num romance apaixonante, conduz-nos através de uma trama que tem lugar nos tempo…

Poesia sim...

A Mulher Mais Bonita do Mundo

estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.

entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todas as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"

Livro da semana: "A dama das camélias"

Imagem
Um dos mais célebres romances do século XIX, A Dama das Camélias,de Alexandre Dumas, o filho, publicado em 1848 com enorme sucesso, foi adaptado, no ano seguinte, para teatro pelo próprio autor, mas só representado em 1852. Conta-nos a história de amor da belíssima plebeia Margarida Gautier com um jovem da alta burguesia francesa, Armand Duval.
Deixando o glamourde Paris, os dois amantes retiram-se para o campo, mas o pai de Armand procura impedir esta relação, implorando a Margarida que deixe o filho devido ao bom nome da família. Margarida, infeliz, aceita abandonar o seu amado, dizendo-lhe que está comprometida, mas enquanto tenta esquecê-lo, mergulhando de novo na vida cortesã, adoece gravemente com tuberculose.
Quando Armand Duval descobre que a renúncia ao amor por parte de Margarida Gautier resulta da pressão do seu pai, é já muito tarde...
A inspiradora deste romance foi a jovem cortesã Marie Duplessi (1824-1847) que Alexandre Dumas filho conheceu em Saint-Germain-en-Laye. O …

X Festa Internacional das Camélias

Imagem
Celorico de Basto prepara-se para receber a X edição da Festa Internacional das Camélias a realizar nos próximos dias 15, 16 e 17 de março.Organizado pela Qualidade de Basto, EM, com o apoio da Câmara Municipal de Celorico de Basto, este certame, que conta já com uma década de existência, tem como anfitriã a flor camélia, sendo já uma tradição celoricense.
Do programa da festa fazem parte as atividades habituais, nomeadamente a exposição/concurso e mercado de camélias, os espantalhos floridos, os muros de camélias, a visita a jardins de camélias e o desfile infantil de camélias.
Para assinalar os dez anos do evento, a organização avança com novas iniciativas, com destaque para os ateliers de camélias que visam incentivar a criação artística na pintura, escultura e culinária, tendo como base a flor camélia. Um espaço que se pretende dinâmico, interativo e capaz de dar azo à imaginação e criatividade dos participantes.
Ainda nesta edição vão surgir Conversas de Camélias, tendo …

Poesia sim...

brincávamos a cair nos braços um do outro

brincávamos a cair nos
braços um do outro, como faziam
as actrizes nos filmes com o marlon
brando, e depois suspirávamos e ríamos
sem saber que habituávamos o coração à
dor. queríamos o amor um pelo outro
sem hesitações, como se a desgraça nos
servisse bem e, a ver filmes, achávamos que
o peito era todo em movimento e não
sabíamos que a vida podia parar um
dia. eu ainda te disse que me doíam os
braços e que, mesmo sendo o rapaz, o
cansaço chegava e instalava-se no meu
poço de medo. tu rias e caías uma e outra
vez à espera de acreditares apenas no que
fosse mais imediato, quando os filmes acabavam,
quando percebíamos que o mundo era
feito de distância e tanto tempo vazio, tu
ficavas muito feminina e abandonada e eu
sofria mais ainda com isso. estavas tão
diferente de mim como se já tivesses
partido e eu fosse apenas um local esquecido
sem significado maior no teu caminho. tu
dizias que se morrêssemos juntos
entraríamos juntos no paraíso e querias
culpar-me por ser trist…

Dia internacional da mulher

Imagem
Feliz Dia Internacional da Mulher

Mulheres fracas, fortes.
Não importa.
Mulheres mostram que mesmo através da fragilidade.
São fortes o bastante para erguerem sempre cabeça
Sem desistir, pois sabemos que somos capazes de vencer.

Temos a delicadeza das flores
A força de ser mãe,
O carinho de ser esposa,
Reciprocidade de ser amiga,
A paixão de ser amante,
E o amor por ser mulher!

Somos fêmeas guerreiras, vencedoras,
Somos sempre o tema de um poema
Distribuímos paixão, meiguice, força, carinho, amor.

Somos um pouco de tudo
Calmas, agitadas, lentas!
Vaidosas, charmosas, turbulentas.

Mulheres fortes e lutadoras.
Mulheres conquistadoras
Que amam e querem ser amadas
Elegantes e repletas de inteligência

Com paciência
O mundo soube conquistar.
Mulheres duras, fracas.
Mulheres de todas raças
Mulheres guerreiras
Mulheres sem fronteiras
Mulheres... mulheres...


Rozilene P. de Souza

Livro da semana: "Três mulheres e meia"

Imagem
Três Mulheres e Meia de Lourdes Fragoso de Lima Edição/reimpressão: 2011 Páginas: 267 Editor: Chiado Editora Coleção: Viagens na Ficção Sinopse Este romance relata a história de vida de três mulheres A proveniência, a formação, o estatuto socioeconómico, e acima de tudo, a visão das pequenas e das grandes coisas que as rodeiam, constitui pontos totalmente diferentes, quase opostos. A vida encarregou-se de alimentar a relação entre as três, sustentada por uma forte amizade, fazendo com que as suas vidas se misturem, sistemática e definitivamente. Neste romance, alteram-se as convicções, muda-se a importância das coisas, dão-se gargalhadas, e ás vezes, bebem-se lágrimas. Abre-se mão de muitas coisas, enfrentam-se obstáculos aparentemente intransponíveis e saltam-se, em voo destemido, ao qual, só depois se chama coragem. Aceitam-se as diferenças, os opostos, e também a igualdade. Num trilho sinuoso feito de brasas que é preciso atravessar, são postos à prova os dogmas que se julgam inabaláv…

Poesia sim...

Esta Gente

Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve o seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia"