Poesia sim

Recomeçar

Costumava povoar os filmes alheios
com pássaros, rios, acácias vermelhas -
espantava-me que reagissem com um deus
que conta pelos dedos. Um dia acordei
sem provisões - até o lume presica de irrigação

constante - e então parti com uma maleta
de palavras desconjuntadas. Palavras que clamam
por cura como andas por pés. Em Moçambique,
um turbilhão de abelhas desgarrado de colmeia,
vi o que convinha: pedras soltas ariscas,

onde a víbora pode plantar raízes.
É lugar que mede a eficácia das palavras
pelo corte do soldador na chapa. A luz
de Lisboa - for exemple - sendo
mais brilhante, não é doméstica.

António Cabrita

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Livro da semana: "Todos os caminhos"

Livro da semana: "A princesa Sofia e a fada trapalhona"

Livro da semana: "Os pássaros também choram" de Tiago Seixas